Visitação a Doentes

A visita ao doente pede tato e compreensão.

*

Abster-se de dar a mão ao enfermo quando a pessoa for admitida à presença dele, com exceção dos casos em que seja ele quem tome a iniciativa.

*

Se o visitante não é chamado espontaneamente para ver o doente, não insistirá nisso, aceitando tacitamente os motivos imanifestos que lhe obstam semelhante contato.

*

Toda conversa ao pé de um doente, exige controle e seleção.

*

Evitar narrações ao redor de moléstias, sintomas, padecimentos alheios e acontecimentos desagradáveis.

*

Um cartão fraterno ou algumas flores, substituindo a presença, na hipótese de visitação repetida, em tratamentos prolongados, constituem mananciais de vibrações construtivas.

*

Conquanto a oração seja bênção providencial, em todas as ocasiões, o tipo de assistência médica, em favor desse ou daquele enfermo, solicita apreço e acatamento.

*

Nunca usar voz muito alta em hospital ou em quarto de enfermo.

*

Por mais grave o estado orgânico de um doente, não se lhe impor vaticínios acerca da morte, porquanto ninguém, na Terra, possui recursos para medir a resistência de alguém, e, para cada agonizante que desencarna, funciona a Misericórdia de Deus, na Vida Maior, através de Espíritos Benevolentes e Sábios que dosam a verdade em amor, em benefício dos irmãos que se transferem de plano.

*

Toda visita a um doente - quando seja simplesmente visita -, deve ser curta.

XAVIER, Francisco Cândido. Sinal Verde. Pelo Espírito André Luiz. CEC.

high quality swiss replica rolex watches Fake Cartier breitling for bentley motors 1884 fake Omega Replica who has the best replica watches